O espaço de divulgação da Comissão de Reeducação Ideológica e Propaganda d'O Partido

segunda-feira, dezembro 19, 2005

Pequeno Conto Político de Propraganda do Movimento Para a Libertação do Proletariado Para Crianças (ou “Caralhêto” )

Era uma vez o Pinóquio que andava a fugir da Gestapo em casa. Ele era debaixo da mesa da cozinha, ele era no sotão, atrás da televisão, Pinóquio estava sempre um passo à frente. Apesar disso, fartou-se tendo então decidido esconder-se na cave do nº38, passando assim à clandestinidade. O Grilo Falante achou que isso era de parvo e, como Pinóquio ouvia música de má qualidade, resolveu telefonar para a Gestapo, para o denunciar. O telefonema tinha de ser anónimo já que a Gestapo não podia ter conhecimento de que se tratava de um grilo que falava.
- O Pinóquio está na cave do 38. É parvo, pá!
Assim, a Gestapo encetou uma operação para proceder à detenção de Pinóquio, acabando por o encarcerar. Pinóquio tinha muitos problemas e negativa a ginástica nos interrogatórios porque quando mentia, para não denunciar os seus companheiros de luta, era facilmente descoberto e a Gestapo oferecia-lhe muitos malefícios e maldades.Ao saber disto, o governo nipónico enviou de imediato Hercules Plafond à Gestapo para obter a libertação de Pinóquio. Plafond pagou a caução mas o cheque era careca.

1 Comments:

Blogger Camarada Independente said...

Caro Amigo, muito me enternece a forma como a música tem um papel importante nas consequencias da vida. Já as denúncias, livra, antes por escrito e em triplicado. E esses grandes nipon nicos foram nobres, e o Hercules Plafond tem sempre uma caneta de tinta permanente carregada junto ao livro de cheques, carecas. Oh palerma! Chapéus há muitos!

10:16 PM, outubro 15, 2006

 

Postar um comentário

<< Home