O espaço de divulgação da Comissão de Reeducação Ideológica e Propaganda d'O Partido

quinta-feira, outubro 12, 2006

Biografias de Grandes Burocratas - Nº 2 - Oliver Gengis Kahn, o mongolóide da Baviera


Nascido duma daquelas combinações carismáticas das quais costumam resultar top models anorexicas de comportamento descompensado ainda que isso seja redundante (isso!), Oliver Gengis Kahn era filho dum arruaceiro mongol e uma determinada operária bávara numa fábrica de armamento do antigo Reich do Kaiser de Lauten. À partida todo o seu potencial burocrático parecia votado ao hara-kiri, já que a escolha do seu nome próprio se devia à devoção quasi-católica de sua mãe ao Imperador Oliver Salt Bad-Luck - insólito dirigente vitalício dum oásis perdido à beira-mar plantado capaz de actos tão anti-burocráticos como sabotar eleições e eliminar adversários ou envia-los para Desterros do Tarrafal, conhecida estância tropical com acomodações e serviço de quarto, no mínimo, castiços e coloquiais - e também porque o seu pai era um arruaceiro e como é por todos sabido, é de franzino que cresce o girino. Nada em altitude ganha o suprasumo, logo Oliver Gengis Kahn desde cedo se revoltou contra o seu fado infortuito e ainda em tenra idade começou a dinamizar os para-olimpicos da Germanofobia, jogo que consistia numa espécie de futebol humano em que emigrantes e descendentes de não-alemães fugiam da população local germanica como o gato da lebre. Para além de tratar de toda a logistica para semelhante evento se tornar possível, Oliver era ainda um brilhante guarda-redes, se bem que grande parte da eterna melancolia que acompanhou o seu semblante durante toda a sua vida se tenha devido em parte ao facto do jogo não ter balizas enquanto a sua carreira como praticante durou. Talvez tenha sido essa frustração que tenha motivado Oliver a encetar gigante batalha burocrática materializada na infinidadede requerimentos, propostas e contra-propostas nas federações internacionais de Germanofobia para que o jogo passasse a incluir balizas. Não tivesse Oliver tido ganas de tomar a Grande Muralha da China e teria assistido à implementação das novas regras no seu jogo predilecto, que assim se tornou, na sua generalidade e variedade, no futebol que actualmente conhecemos. Kahn desapareceu misteriosamente durante o seu devaneio expansionista, mas todos os rumores indicam que terá sido ele o responsável pela transformação do jogo do guelas no golf actual, sendo ele sem duvida o grande e único pai do Mundo de Berlinde.

Próximo número - "Tito Paris Hilton, a alcova da gaita-de-fone"